Amanda Lemos

REMINISCÊNCIA

Morrer é deixar de ser lembrança. Enquanto há lembrança há fôlego de alma. Inspirar e expirar alma é viver. O espaço deixado pela impossibilidade do tato é preenchido por reminiscências, quentes ou frias, que são capazes de manter vivos os sentimentos e, havendo o que sentir, há vida.

 

 

Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte 2017